Página Inicial » Treinos » Agachamento, os joelhos podem passar da linha da ponta dos pés?

Agachamento, os joelhos podem passar da linha da ponta dos pés?

Muitos mitos envolvem a musculação. Alguns deles não tem fundamento e outros devem ser considerados. Veja neste artigo uma análise sobre a questão de os joelhos ultrapassarem a linha da ponta dos pés no agachamento!

agachamento execução linha dos pés

Considerado por muitos como o “rei dos exercícios”, o agachamento é sem sombra de dúvidas, um dos mais populares nas academias. Seja para fins de emagrecimento, hipertrofia ou apenas melhora da funcionalidade, ele nos dá uma gama interessante de trabalho. Mas para que ele seja de fato efetivo, o agachamento tem que ser o mais natural possível, pois somente assim, ele estará respeitando toda a questão das rotas articulares.

Porém, definir o que é um movimento natural depende de uma série de fatores. Questões como a flexibilidade, coordenação motora e técnica de execução são primordiais neste aspecto. Neste sentido, a execução dos exercícios precisa ser pensada em termos de amplitude de acordo com cada individualidade presente.

Ao realizar o agachamento, se faz necessário que os joelhos façam uma flexão ampla, que em muitos casos, ultrapassa os 90°. Neste sentido, em determinados casos, o joelho precisa ultrapassar a linha da ponta dos pés, pois assim, mantemos o equilíbrio no movimento.

Um dos principais argumentos que condenam isto, é de que isso iria sobrecarregar o tendão patelar, por uma compressão mais acentuada. Pois bem, tudo vai depender do caso, mas geralmente, não é o que acontece de maneira acentuada!

Veja agora um estudo interessante sobre este tema!

Joelhos ultrapassando a linha da ponta dos pés? Lesão na certa? Depende!

Em um estudo recente (List et.al, 2013) nos trouxe um questionamento importante. Neste estudo, foram analisados 30 jovens com experiência e execução correta no agachamento. Foi possível verificar que realizar o agachamento sem deixar que os joelhos avancem além da linha da ponta dos pés, aumenta consideravelmente as curvaturas da coluna. Porém, é possível verificar também que houve uma redução de 14% na compressão patelar executando-o desta maneira. Mas no custo benefício total, a sobrecarga sobre a coluna foi muito mais acentuada e tem muito mais potencial lesivo.

A explicação para este fato é simples. Quando impedimos que os joelhos avancem, temos nosso centro de equilíbrio deslocado para trás. Com isso, a tendência é que se perca o equilíbrio e com a ação da gravidade, caia para trás. Para compensar isso, a coluna se curva, afim de que consiga controla melhor o movimento e distribuir de maneira mais eficiente as cargas.

As porções da coluna que mais se curvam são a torácica e lombar, coincidentemente, as que mais apontam casos de hérnias e outras doenças articulares.

Quanto maior a amplitude do agachamento, maior será a necessidade de que os joelhos ultrapassem a linha da ponta dos pés. Isso se explica pelo fato de que em amplitudes elevadas, o centro de gravidade será jogado ainda mais para trás, o que vai fazer com que os joelhos sejam responsáveis por distribuir melhor a carga.

Então os joelhos podem passar a frente sem problema nenhum? É lógico que precisamos avaliar isso de maneira mais aprofundada!

Agachamento e joelhos, passar ou não da ponta dos pés?

Esta é uma questão complexa, onde não posso dar respostas que se enquadrem para qualquer caso. Lembre-se que estamos falando de um movimento natural, mas altamente complexo, devido as sobrecargas articulares que ele pode causar. De uma maneira geral, não há problema em uma projeção pequena dos joelhos sobre a ponta dos pés, pois como já mencionei, este é um movimento natural.

Porém, existem alguns casos onde este exercício precisa ser feito com cuidado! Em casos como a condromalácia, poderemos ter um aumento da pressão sobre a patela pelo tendão patelar, o que pode tornar o quadro ainda mais grave.

Ainda existem os casos onde existe uma falta de coordenação ou de equilíbrio. Neste sentido, antes mesmo de pensarmos em usar cargas mais elevadas, devemos passar por um processo pedagógico de aprendizagem motora do agachamento. Neste artigo já falei sobre isso (Agachamento, processo educativo para melhorar a execução).

Além disso, fatores como a flexibilidade também precisam ser levados em conta. Quem executa o agachamento sem um devido controle da flexibilidade, tende a retroverter o quadril, o que muitas vezes, “puxa” o joelho para trás, mas aumenta a sobrecarga sobre os discos intervertebrais.

Esta é uma questão complexa, que precisa ser avaliada com critério e cuidado. Mas no geral, passar o joelho da ponta dos pés não é um problema para grande parte das pessoas. Lembre-se, o que existem não são exercícios contraindicados, mas sim pessoas contraindicadas para eles! Bons treinos!

Referências:
List, R. Kinematics of the trunk and the lower extremities during restricted and unrestricted squats. J Strength Cond Res. 2013.

Sobre Sandro Lenzi

Educador físico apaixonado pelo desenvolvimento humano. Atuo como produtor de conteúdo, personal trainer e com consultoria online.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Curta-nos no Facebook!