Página Inicial » Treinos » Biotipo e Somatotipo, aprenda o conceito correto!

Biotipo e Somatotipo, aprenda o conceito correto!

Nesse artigo do professor Sandro Lenzi e com um excelente vídeo do Mestre Leandro Twin, você irá entender a diferença e o conceito correto entre biotipo e somatotipo.

Quem nunca ouviu um diálogo do tipo: “eu tenho um biotipo ruim pra musculação, por isso nem malho!” ou então: “ por causa do meu biotipo, eu engordo muito fácil, nem vale a pena malhar por causa disso”. O que este tipo de comportamento revela é que muitas vezes estes conceitos são usados como bengala, que eu prefiro chamar de auto sabotagem. É muito fácil culpar sua genética pela falta de resultados, afinal, ela é tecnicamente imutável e de difícil argumentação. Mas como usei o termo auto sabotagem, tenho que expor minhas teorias para falar disso. Neste vídeo sensacional do Leandro Twin:

Ele fala sobre as diferenças entre somatotipo e biotipo e como isso se aplica ao treinamento.

Entre tantos ensinamentos que o Twin deixa no vídeo, quero destacar alguns para posterior discussão:

Biotipo é uma qualidade imutável.

Somatotipo é a condição em que você se encontra, e tem forte relação com estilo de vida.

Neste sentido, BÖHME (2000) afirma que

A preocupação em agrupar os humanos de acordo com os mais diferentes tipos físicos existe desde a Antiguidade. Desta forma, o conceito de biotipologia humana, portanto, não pode ser associado a uma definição básica e simplista. Neste sentido, por exemplo, os valores biotipológicos sempre são vinculados aos valores da época em vigência, e em uma evidente associação com parâmetros complexos e subjetivos. Para ilustrar, pode-se destacar que no passado, o protótipo tido como ideal era do homem obeso e os valores biotipologicos eram diferentes”.

O que quero deixar claro com esta citação, é que os conceitos mudam e não são algo pronto e imutável. A classificação de endomorfo, mesomorfo e ectomorfo, foi criada na década de 40 pelo pesquisador Sheldon e serve para definir padrões de somatotipia e não de biotipo. Neste sentido, Foss e Keteyian (2000) esclarecem que o somatotipo “refere-se primordialmente ao tipo corporal ou ainda à classificação física que temos do corpo humano.”

Os termos mesomorfo, endomorfo e ectomorfo são usados para descrever uma pessoa no que diz respeito ao seu somatotipo e estes métodos basicamente descritivos são associados com seus principais idealizadores, os pesquisadores Sheldon e Heath-Carter. Nesta classificação, a endomorfia remete a um corpo com predominância de gordura corporal (BF), a ectomorfia ao conceito de pouco desenvolvimento muscular e baixo teor de gordura e a mesomorfia ao conceito de elevado desenvolvimento muscular e baixo teor de gordura.

Já biotipo tem ligação com fatores imutáveis, como altura, composição e formas ósseas, e também a questão do ganho de massa muscular e gordura corporal. Como Twin fala no vídeo, o biotipo é imutável mas não é desculpa. As pessoas tem mais facilidade ou dificuldades para ganhar massa muscular ou perder peso, mas isso não quer dizer que é impossível. Por isso, dizer que você engorda por causa do seu biotipo, é apenas auto sabotagem.

Assim, alguns fatores não podem ser mudados, mas podem ser controlados. Se você tem dificuldade em ganhar peso, precisará de muito mais empenho, mas sim, é possível hipertrofia sendo ectomorfo. Da mesma forma se você é um endomorfo, pode perder gordura corporal e ganhar mais massa muscular. Entender seu biotipo e somatotipo é muito importante para traçar suas metas e objetivos. Neste sentido, estes 3 artigos devem te ajudar:
Ectomorfo, como deve ser a dieta e o treino?
Mesomorfo, como deve ser o treino e a dieta?
Endomorfos – Como deve ser o treino e dieta?
Bons treinos!
Referências:
BÖHME, Maria Tereza Silveira. Aptidão Física e Crescimento Físico de Escolares de 7 a 17 anos de Viçosa – MG. Parte IV. Estatura, Peso e Perímetros. Revista Mineira de Educação Física. v3, n.2, p.54-74, 1995b.
FOSS, Merlel e KETEYIAN, Steven J. Livro as Bases Fisiológicas do Exercício e do Esporte. 6ª ed. Rio de Janeiro: Ed. Guanabara Koogan, 2000.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Curta-nos no Facebook!