Página Inicial » Treinos » Funcional » Treinamento funcional para paraplégicos, aspectos práticos

Treinamento funcional para paraplégicos, aspectos práticos

O treinamento funcional pode ser destinado a um grande número de pessoas, por suas possibilidades de adaptação. Veja neste artigo mais sobre o treinamento funcional para paraplégicos!

Treinamento funcional para paraplegicos

De maneira geral, as pessoas que apresentam limitações de movimentação oriundas dos mais variados motivos, tem de ter uma preocupação ainda mais acentuada com sua funcionalidade. É o caso das pessoas paraplégicas, que hoje representam cerca de 15 milhões de pessoas com alguma deficiência motora, sendo que uma grande parte diz respeito as pessoas com paraplegia. Neste sentido, é muito importante entender de que maneira estas pessoas podem ter melhoras em sua funcionalidade!

Neste sentido, o treinamento funcional já conta com profissionais que se especializaram neste ramo, como é o caso de Arthur Hashimoto, que trabalha com este público através da metodologia Core 360.

Leia também: Core, o que é, como treinar e qual a sua importância!

Para que você tenha ideia de como temos um déficit científico com esta população, até o ano de 2010 não havia publicação ou estudo científico em português para mostrar os benefícios do treinamento resistido para esta população! O primeiro e talvez mais relevante estudo que temos neste sentido é de Salles et.al. (2010), onde o principal objetivo do estudo foi realizar uma revisão bibliográfica sobre os benefícios do treinamento resistido na melhoria da capacidade funcional e saúde de pessoas com paraplegia.

Entre os 15 estudos revisados, foi possível verificar que em todos os casos estudados, o treinamento resistido foi capaz de promover benefícios físicos, psicológicos e sociais nesta população. Sob o ponto de vista físico, foi possível verificar aumentos significativos de força, potência, resistência e aumento do metabolismo basal. Outro ponto destacado foi a melhora de indicadores lipídicos e redução de dores musculares e articulares.

Veja agora alguns aspectos práticos do treinamento funcional para paraplégicos!

Treinamento funcional para paraplégicos, como ele deve ser executado?

1. Preocupação com as atividades de vida diária (AVDs)
Este é o primeiro ponto a ser pensado em qualquer programa de treinamento para pessoas paraplégicas. Neste sentido, todo o treinamento funcional precisa ser voltado para esta finalidade. Movimentos multiarticulares, que envolvam diversos grupos musculares, precisam ser a base deste tipo de treino. Os músculos dorsais e peitorais precisam ser fortemente trabalhados para que haja uma melhora considerável na funcionalidade, já que eles são motores primários em grande parte dos movimentos do dia a dia.

2. Melhora da postura:
Neste ponto, entramos em uma questão um pouco mais complexa. Dependendo da altura em que a lesão ocorreu, é preciso dar uma atenção especial aos músculos que ainda sustentam a postura. Por isso, movimentos de fortalecimento da região lombar e abdominal são fundamentais. Outro ponto interessante é trabalhar com os movimentos de rotação de tronco, já que eles são a base para uma série de atividades de vida diária. Neste caso, tudo vai depender da maneira como a lesão aconteceu e do grau de comprometimento de cada um. Mas no geral, o fortalecimento dos músculos posturais é fundamental!

3. Melhora da função cardiorrespiratória
Outro ponto fundamental para o treinamento funcional par paraplégicos. Justamente pelo fato de estes não terem movimentação em seus membros inferiores, é preciso que o trabalho de melhora da função cardiorrespiratória seja acentuado. Existem inúmeras maneiras para realizar isso. As bicicletas foot hand são uma excelente maneira de trabalharmos desta maneira. Além de serem de baixo custo de aquisição, elas permitem uma série de movimentos para os membros superiores. Além disso, com o treinamento funcional no geral feito da maneira correta, é possível obter tal melhora. Outra possibilidade são os simuladores de remo, que precisam ser adaptados para esta finalidade.

4. Melhora de todas as funções
Um dos erros mais comuns neste contexto é o de não levar em conta outras funções, como o equilíbrio e a agilidade. Tudo precisa ser melhorado para que o treinamento seja de fato funcional. Caso contrário, não haverá uma melhora substancial da funcionalidade das pessoas paraplégicas. Por isso, é preciso encontrar maneiras de trabalhar com as mais diversas funcionalidades.

Leia também: Musculação para cadeirantes

Além disso tudo que foi citado, o treinamento funcional para paraplégicos tem um ponto ainda mais importante, que é a questão psicológica. O treino precisa ser desafiante e divertido, para que a retenção seja mais acentuada.

Independentemente do caso, a prática constante de exercícios físicos é fundamental para este tipo de população. Bons treinos!

Referências:
SALLES, B. F. Os benefícios dos exercícios resistidos na melhoria da capacidade funcional e saúde dos paraplégicos. Rev Bras de Med do Esporte, 2010.

Um comentário

  1. Esse artigo foi um bom começo para minhas pesquisas acerca do assunto, tratou de maneira geral porém com conteúdo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Curta-nos no Facebook!