Página Inicial » Suplementos » Suplemento Ribose – Para que serve, como tomar e efeitos colaterais

Suplemento Ribose – Para que serve, como tomar e efeitos colaterais

Antes de comprar o suplemento D-ribose é muito importante ler esse artigo. Iremos tirar dúvidas sobre o que é essa substância, quando indicado, benefícios, colaterais e se engorda.

Suplemento D-Ribose

Ribose se caracteriza açúcar natural com desenvolvimento no organismo partindo da glicose. Trata-se de componente fundamental para formar ATP, trifosfato de adenosina, o composto este que faz armazenamento e fornecimento da energia para as células todas do corpo.

Ribose ainda acontece em RNA, ácido ribonucléico, um dos principais mantenedores da informação em células. ATP é utilizada de modo rápido por músculos nas atividades de alta intensidade e RNA tem importância em síntese das proteínas.

O consumo do suplemento da ribose, denominado D-ribose, e bebidas energéticas que apresentam tal substância tem indicação para melhoria da energia e aumento da performance em atividades físicas. Os suplementos fizeram aceleração em recuperar tecido muscular e reduzem o cansaço depois dos exercícios.

O corpo utiliza energia que necessita ser de forma constante reposta

Diariamente, o corpo realiza produção e consumo de enormes quantidades da energia. O coração, como exemplo, armazena quantidade inferior a um grama da energia, porém, a cada dia chega a fazer consumo de quase 6.000 gramas da energia para bombeamento do sangue e transportar oxigênio para tecidos no corpo inteiro.

Parte considerável da energia utilizada por coração está em ribose. O suplemento da ribose é popular como D-ribose. Um tipo de carboidrato com serventia para elevar energia celular por meio de ATP, ou trifosfato de adenosina.

Ribose e ATP

A energia que alimenta o organismo é servida por molécula pequena, o trifosfato de adenosina, ou de modo simples, ATP, composto percebido em todas as células do organismo e onde de forma prática, a completa energia que é usada tem produção.

ATP é composto, consumido, e processado por cada célula de modo individual no ciclo que possibilita disposição contínua da energia. Para tal, o organismo se vale dos processos metabólicos bastante sofisticados para garantia que estas fontes não tenham esgotamento.

Estrutura do ATP

A estrutura do ATP se caracteriza simples. O mesmo é produzido de 3 parcelas básicas, a inicial se resume à D-ribose. A ribose oferece a base estrutural em que o ATP tem construção e começa o processo da síntese de ATP no organismo.

Na ausência da ribose, o ATP não poderia ser composto e as próprias células teriam privação da energia. Com vínculo à ribose existe um composto denominado adenina. Em combinação, a ribose mais adenina compõem adenosina.

Leia também: Dextrose – O que é, efeitos e como tomar

A parte da adenina de ATP não se caracteriza de modo instantâneo acrescentada para molécula da ribose em célula. A célula segue de modo gradativo acrescentando adenina para ribose. Na situação de o processo se encontrar completo, adenosina se caracteriza resultado e há a base para ATP.

São adicionadas 3 moléculas do fosfato para tal estrutura. A energia de molécula de ATP é percebida em ligações químicas que prendem tais moléculas do fosfato.

 Na situação de a ligação química que segura moléculas do fosfato em posição se quebra, o mesmo libera energia química, que tem transformação na energia mecânica em célula. Os corpos necessitam utilizar estrutura básica de ATP vezes em repetição para manter oferecimento da energia a fluir.

Para realizar isso, as próprias células fazem reciclagem da molécula de ATP, que segue por nova fixação do grupo do fosfato para substituição da energia que foi usada. Tal processo ocorre no ciclo contínuo e vai depender das taxas corretas do oxigênio nas suas fases todas.  

O que ocorre com desestabilização do fluxo da energia

Enquanto as pessoas estão fisicamente estáveis e células são capazes de suprir corretamente os componentes de necessidade, o ciclo da energia permanece a funcionar. O problema surge na situação de as células não terem capacidade de obtenção do oxigênio suficientemente para manter o processo a fluir.

Várias condições podem atingir a maneira como oxigênio tem fluência às células, ou quanto bem, as próprias células podem fazer uso do oxigênio que é oferecido. A enfermidade isquêmica do coração, como exemplo, faz restrição do fluxo sanguíneo ao músculo cardíaco, e esta condição pode ter influência no fluxo do sangue e fornecimento do oxigênio ao restante do corpo.

Mais enfermidades cardíacas, sendo exemplo, insuficiência cardíaca congestiva ou cardiomiopatia, podem atingir de modo semelhante funções do coração, e então, a eficiência com que consegue oferecer sangue e oxigênio aos próprios tecidos.

Várias mais condições ainda podem atingir fluxo sanguíneo ou do fornecimento em relação ao oxigênio. Conforme as pessoas envelhecem, como exemplo, os próprios tecidos perdem a capacidade do uso do oxigênio eficientemente. O tecido mais velho apresenta maior dificuldade para manter demanda contínua pela energia.

Mesmo a atividade em exagero pode atingir a relação entre oferta e demanda da energia. Quando se vai além do ponto em que as próprias células estão a produzir energia, as taxas enérgicas reduzem.

Seja qual for o motivo, na situação de células e tecidos sendo incapazes da obtenção do oxigênio necessário para manter balanceio da oferta e demanda da energia, os resultados têm semelhança, dor muscular, rigidez, fadiga, redução da capacidade atlética, e redução da qualidade de vida.

Função da Suplementação com D-ribose

Embora ainda haja necessidade de estudos com maior profundidade acerca da suplementação da ribose, evidências fazem sugestão que a mesma é benéfica aos enfermos com insuficiência cardíaca congestiva, enfermidade grave em que o coração não é capaz de bombear sangue suficientemente para que as necessidades circulatórias corporais sejam satisfeitas.

No estudo por revista científica European Journal of Heart Failure, a ribose parece otimizar função cardíaca e qualidade de vida dos pacientes apresentando insuficiência cardíaca por meio do aumento das taxas de ATP. As evidências preliminares também apontam que ribose pode trazer alívio para dor e cansaço nos pacientes apresentando fibromialgia e fadiga crônica.

No pequeno estudo com publicação no ano 2006 por Jornal de Medicina Alternativa e Complementar, pacientes que consumiram 5 gramas da ribose, 3 vezes diariamente em 28 dias, fizeram relato de alívio em dor e rigidez muscular e capacidade de superação da fadiga melhorada.

Mais estudos sugerem que ribose ainda pode auxiliar a melhorar tolerância do corpo para exercícios de alta intensidade, o que é neste caso interessante para atividades.

Marcas e preços do suplemento D-Ribose

Das principais e melhores marcas do suplemento D-Ribose, se destacam o da Universal Nutrition e Arnold Nutrition dos importados. Dos nacionais, a já conhecida Probiótica e também Atletica Nutrition. Em relação ao preço, vai depender da época que for consultar e a loja que estiver vendendo. Para ter uma ideia melhor de preço e quantidade da embalagem, você pode verificar clicando no banner logo abaixo.

Comprar o suplemento ribose pelo melhor preço

Ação da Ribose em recuperar energia

No indivíduo saudável que faz exercícios de modo intenso em determinados dias em seqüência, é necessário mais do que 3 dias do descanso para que células possam recarregar de modo completo.

Essa se resume um caso típico dos jovens atletas, que fazem exercício diariamente e não poupam seus corpos ao descanso em período suficiente para restauração da energia gasta. Em período curto os mesmos têm sensação das dores, fraqueza e fadiga. Conforme as pessoas envelhecem, ou se existem enfermidades cardíacas ou musculares, o caso é mais complexo.

Nesta situação, o curso regular de atividades do dia a dia pode ser suficiente para que a energia seja consumida inteiramente de células e tecidos, e a ausência da energia pode se transformar crônica, podendo existir dores em perna e rigidez dos músculos e dificuldade para fazer tarefas habituais, sendo exemplo a subida das escadas.

A substituição da energia consumida é de importância essencial para que seja mantido o ciclo de recuperar células e tecidos. Tal processo da recuperação da energia inicia com ribose.

As células usam tal açúcar para começar síntese de ATP, possibilitando que as mesmas se recarreguem e o organismo recobre a energia gasta. Se não ocorrer ribose suficiente em célula para iniciar tal processo vital, não é possível a restauração da energia perdida.

Leia também: L-carnitina: O que é, efeitos, como tomar e onde comprar

Consumo da Ribose

A ribose tem disponibilidade em forma de pó puro, ou acrescentada nas bebidas, comprimidos e barras de cereais. Tem-se que a quantidade de necessidade para conquistar benefícios terapêuticos seja percebida somente se ingerir o pó de modo direto.

Isso porque uma dose eficiente da ribose é bastante para ser determinada nos comprimidos ou cápsulas. Existem variações em dose de recomendação para ingestão diária. Os valores diferem entre meio grama a 5 gramas.

As barras de cereais e bebidas apresentam tendência de possuir em torno de meio a um grama da ribose. Então, tais produtos podem ter adequação para serem ingeridos por indivíduos saudáveis que busquem somente manter a taxa da energia.

Para pacientes com enfermidade, porém, a quantidade encontrada em bebidas e barras de cereais não se apresentaria suficiente para gerar benefício terapêutico. Nestas situações é necessário que o médico realize prescrição da quantidade correta.

Quando consumir Ribose

Em determinado momento da vida todos os indivíduos passam por casos em que a suplementação da ribose poderia auxiliar para superação de sintomas, sendo exemplo dor e rigidez gerada por excesso do esforço dos músculos.

É importante lembrar que as células e tecidos permanecem rígido na situação de não receberem oxigênio suficiente ou se processos regulares de reciclar energia têm interrupção.

Nos casos onde células usem energia mais veloz do que a mesma pode ser oferecida, ou na situação de haver incompatibilidade entre oferta e demanda da energia, a sensação é de fraqueza e indisposição.

Nessas situações, de modo diferente do que ocorre com indivíduos saudáveis, onde o repouso adequado e alimentação são capazes de repor taxas da ribose, a suplementação pode ser de necessidade. A recomendação é buscar auxílio médico para que ingestão da ribose tenha prescrição nas quantidades adequadas.

Ribose para praticantes dos exercícios intensos

A prática das atividades por quantidade superior a 3 vezes pela semana já pode determinar pressão considerável sobre coração e músculos, deixando os mesmos frágeis à próxima seção das atividades.

Na situação de atletas tomarem ribose anteriormente, durante e após exercícios físicos, os mesmos podem otimizar taxas da energia e restaurar mais velozmente o que se perdeu.

É importante ressaltar que a intensidade das atividades em relação à necessidade da utilização da ribose e quantidade adequada a ser ingerida é muito relativa. É possível que a perda da energia corresponda a moderada para pessoas que já tenham costume com atividades muito pesadas.

Já ao outro indivíduo, uma carga inferior comprometerá taxas da energia. Assim, é fundamental notar sensação da queda da energia na prática das atividades. Mais um fator de relevância se caracteriza idade, pois os processos metabólicos seguem, no geral, se transformando mais lentos segundo envelhecimento.

Como tomar a Ribose

Um estudo de importância realizado por laboratório da fisiologia muscular de Universidade do Missouri notou que mesmo pequenas porções da ribose, no valor de em torno 500 miligramas, ingerida via oral, aumentou de forma substancial recuperar energia nas pessoas em teste, beirando 100%.

Quando a dose teve aumento à taxa em torno de 2,5 gramas, ingerida via oral, a recuperação energética foi aproximadamente de 250%. O mesmo que uma dose de 5 gramas elevou o nível de recuperação de energia em 350%.

Desta maneira, a conclusão é que a quantidade adequada da ribose a ser consumida na realidade depende da intenção e dos exercícios de cada indivíduo. Se o foco é oferecer ao coração e músculos impulso para certificar-se que os mesmos estão mantendo grau de energia de saúde, é possível iniciar com pouco.

Porém, para aumentar performance atlética, diminuir dor e rigidez depois dos exercícios, ou conferir para músculos impulso da recuperação após determinado trabalho extenuante ou atividade, pode ser necessária quantidade superior.

Se o foco por superação de efeitos da fadiga que persiste ou dor muscular crônica, outra quantidade pode ser de necessidade. Na situação da enfermidade cardíaca, doença vascular periférica, ou mais condições crônicas que tenha impacto em metabolismo da energia, pode ser preciso suplementação de maior intensidade.

Dosagem recomendada em situações específicas

Para manter taxa da energia saudável ao coração e músculos, então ingerir de 2 a 5 gramas, ou seja, em torno de meia colher de chá da ribose, todos os dias.

De preventivo das enfermidades cardiovasculares, aos atletas que desejam recuperação mais velozmente depois dos exercícios de alta intensidade, e para indivíduos com saúde realizando exercícios físicos exaustivos, então ingerir de 5 a 7 gramas, em torno de uma colher de sopa do pó da ribose, pelo dia.

É necessário lembrar que a consulta com médico especializado se resume essencial e sugestões indicadas são genéricas. A recomendação é que doses por dia não sejam ingeridas de uma vez apenas. Na realidade, doses mais freqüentes e menores se caracterizam melhores em comparação com doses menos freqüentes e maiores.

Leia também: Glutamina – O que é, efeitos e como tomar

Para consumir doses por dia de até 10 gramas, é recomendado que a quantidade tenha divisão em dois consumos diários. A ribose deve ser ingerida pela manhã e jantar, ou de modo imediato anteriormente e depois dos exercícios se a mesma for usada de coadjuvante destes.

Partindo de 10 gramas, a recomendação é consumir em 3 doses por dia. Se a pessoa aumentar a taxa da ribose e não perceber benefícios de suplementação, quer dizer que a mesma não necessita daquela quantidade. A maioria dos indivíduos normais não necessitará de quantidade superior a 10 gramas diárias.

Efeitos colaterais da ingestão da Ribose

Efeitos colaterais gerais ao consumo de D-ribose se resumem de modo típico leves e da natureza gastrointestinal. As pesquisas indicam que a ingestão de até 5 gramas com divisão em até 3 vezes por dia, ingerida com alimentos, se caracteriza segura.

A chance para efeitos colaterais aumenta com doses superiores. Segundo estudo com publicação no ano 2007 em edição da revista Sports Medicine Reports, suplemento D-ribose pode gerar inchaço, fezes soltas, náuseas e desconforto do abdômen.

Diminuir a ingestão, ou interromper a utilização se tais sintomas se tornarem incômodos ou não sumirem com utilização continuada de suplemento.

Segundo professor de Medicina Clínica e de Saúde Pública, Dr. Weil, diretor do Centro de Medicina Integrativa Arizona, em Universidade do Arizona, a ribose se caracteriza de modo químico, um açúcar, e seu consumo deve ter acompanhamento do profissional.

Ele reconhece que na situação de ingerido em dose de recomendação, não é provável que a ribose seja prejudicial, porém é necessário ter ciência de ao consumi-la acrescentada aos produtos como a incluir bebidas energéticas, é possível estar recebendo mais do que pensado. De acordo com ele, o recomendado seria limitar consumo a não mais que 5 gramas, 3 vezes pelo dia.

Leia também: Os melhores suplementos para ganhar massa muscular

Ribose engorda?

Se consumido com orientação e moderação, a Ribose irá apenas repor energias e não irá engordar. Havendo o consumo em demasia, como todo carboidrato, pode sim engordar.

Um comentário

  1. tomo a ribose alguns anos ela é excelente recupera muito pós treino tira dor cansaço não fico sem após exercícios intensos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Curta-nos no Facebook!