Página Inicial » Treinos » Pump muscular, qual a sua relação com a hipertrofia?

Pump muscular, qual a sua relação com a hipertrofia?

Tão importante como a montagem e planejamento do treino, o acompanhamento dos resultados deve ser baseado em evidências. Veja neste artigo a importância do pump muscular para a hipertrofia.

pump muscular

A cena é clássica e já fez parte da vida de qualquer pessoa que tenha feito musculação. Você chega na academia e tem um treino específico para 1 ou mais grupamentos. Você está motivado e consegue uma boa sobrecarga muscular. Como resultado, o músculo treinado fica muito maior momentaneamente, o que dá a sensação de que ele foi devidamente treinado. Para este aumento, damos o nome popular de pump muscular, que nada mais é do que o aumento da concentração sanguínea no local do músculo treinado.

Muitas pessoas veem no pump muscular o marcador mais fidedigno de que o treino foi de fato efetivo. Existem diversas outras variáveis que estão envolvidas neste processo, fato este que mostra que o pump muscular não é o único ponto a ser levado em conta.

Qualquer treino resistido tende a aumentar a concentração sanguínea no local exercitado, pois a circulação precisa levar mais nutrientes ao músculo que está sendo solicitado. Veja agora alguns estudos sobre a questão do pump muscular e a sua sinalização para a hipertrofia!

Pump muscular, ele é fundamental para a hipertrofia?

De uma maneira geral, o maior acumulo de sangue é um sinal de que o músculo está requerendo mais substratos. Porém, temos que ter em mente que para gerar a hipertrofia, outros mecanismos fisiológicos precisam estar acontecendo. O stress mecânico causado pelo treino de musculação nem sempre gera um pump muscular considerável, o que não significa que o treino não foi efetivo. Neste sentido, temos um estudo bastante interessante de Yano (2015) onde os pesquisadores avaliaram parâmetros musculares diferentes, como a resposta elétrica do treino e a concentração sanguínea, o pump, usando tanto a eletromiografia como a ultrassonografia.

Desta maneira, podemos dizer que o estudo foi bem mais completo, por usar dois parâmetros diferentes.

Foram avaliados os músculos em pré e pós 3 séries até a falha concêntrica, usando 30% ou 80% de 1RM no exercício de cadeira extensora, em jovens bem treinados.

Entre as conclusões do estudo, foi possível verificar que:

– Mesmo com atividade elétrica aumentada nas séries com cargas leves, esta foi consideravelmente maior nas séries com cargas pesadas.

– A área de secção transversa do músculo aumentou em 4 cm no treino com cargas leves, contra 2 centímetros no treino com cargas mais pesadas.

Mas e o que isso tem de relação com o pump muscular? Muita coisa! O treino com cargas mais leves foi capaz de produzir muito mais pump muscular, justamente pelo número mais elevado de séries e pelo consequente aumento dos metabólitos.

Além disso, este estudo ainda nos mostra que tanto os estímulos tensionais como os metabólicos podem ser eficientes para fins de hipertrofia.

É lógico que temos outros pontos a serem analisados, mas o que fica claro, é que o pump muscular, visto de maneira isolada não necessariamente é o ponto mais importante na avaliação de um treino.

Ele pode ser decorrente de diversas fontes e nem sempre ser resultado de um elevado índice de microlesões teciduais adaptativas.

Mas então o pump muscular é algo ruim?

Longe disso! O que quero deixar claro com este artigo é que o pump muscular muitas vezes é supervalorizado. Além do mais, em grande parte dos casos, as pessoas buscam o pump muscular em seu treino para inflar seu ego. Mas como já mencionamos diversas vezes aqui no Treino Mestre, você deve treinar seu corpo e não seu ego!

Leia também: 5 coisas que podemos aprender com Arnold Schwarzenegger sobre a construção muscular

Por isso, é imprescindível que você tenha como parâmetro de avaliação de seu treino outros fatores, que transcendam apenas o pump muscular. Para isso, é muito importante ter em mente qual é seu objetivo com cada treino, pois um treino mais tensional do que metabólico, tende a causar menos pump muscular e vice-versa.

Isto tudo só deixa claro o quanto é complexo o treino de hipertrofia e de que diversos pontos precisam ser levados em conta. Por isso, tenha sempre o acompanhamento de um bom profissional para te ajudar! Bons treinos!

Referências:
YANO, T. Muscle pump in the vastus lateralis in the supine position in light prolonged exercise. J Sports Med Phys Fitness. 2015.

Sobre Sandro Lenzi

Educador físico apaixonado pelo desenvolvimento humano. Atuo como produtor de conteúdo, personal trainer e com consultoria online.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Curta-nos no Facebook!