Página Inicial » Treinos » Funcional » O que de fato é treinamento funcional?

O que de fato é treinamento funcional?

Muita confusão é criada em torno do contexto de treinamento funcional. Com isso, muita coisa vendida como treinamento funcional é na verdade quase um Crossfit.

treinamento funcional o que e

 

Se existe um nome que virou “moda” nos últimos anos foi o tal do treinamento funcional. Tido por muita gente como um treino sem objetivo, com exercícios aleatórios e sem planejamento, ele é muito eficiente, desde que seja usado da maneira correta e no contexto certo. Mas infelizmente, muitas vezes o treinamento funcional é distorcido e  usado apenas como estratégia comercial!

Ao contrário do que muitos pensam, o treinamento funcional não  é novidade e nem algo “novo”. Os primórdios do treinamento funcional datam da década de 70, nos Estados Unidos. Porém, foram nos últimos 5 anos que ele se tornou de fato conhecido no Brasil.

Hoje explodiu a quantidade de estúdios e academias que oferecem o treinamento funcional. Porém, nem sempre o que é feito nas aulas é de fato o que o treinamento funcional propõe!  Usar bolas, bosus, elásticos e “materiais alternativos” não são necessariamente funcionais! Veja agora o que ele é na sua essência!

Treinamento funcional, entenda este conceito!

O treinamento funcional não nasceu para ser um substituto da musculação (até porque a musculação já é funcional o suficiente). Na verdade seu primeiro objetivo era repadronizar padrões errôneos de movimento e corrigir problemas que comprometessem justamente a funcionalidade das pessoas. No Brasil, ele foi trazido por Luciano D´Elia, que propagou uma ideia correta e bem estruturada da modalidade.

Leia também: Treinamento Funcional: O que é, benefícios e exercícios

Mas se formos mais afundo, veremos que o treinamento funcional  surgiu de fato com os profissionais da área de fisioterapia. Estes profissionais foram os pioneiros no uso de exercícios que simulavam as realidades que os pacientes faziam no seu dia-a-dia no decorrer das sessões de terapia, permitindo desta forma, um retorno mais rápido a sua vida normal.

Desta forma, foi fundamentado no sucesso obtido neste tipo de aplicação na reabilitação que o programa de treinamento funcional passou a ser estudado e empregado em programas de condicionamento físico e preparação física, bem como  o para minimizar possíveis lesões (Dias, 2011).

Weiss (2002) cita que os programas de treinamento considerados funcionais devem ser projetados para imitar e reproduzir tarefas ou atividades que acontecem no dia a dia de uma pessoa, fazendo assim as adaptações do treinamento, com as possíveis transferências de aprendizagem motora.

Já Spina (2011) defende que  o treinamento funcional não só treina o corpo a se desenvolver em força muscular e condicionamento, mas em vários planos de movimento, como também causa adaptações do  sistema nervoso para funcionar de forma otimizada, criando desta maneira, ativações corretas e eficientes  de todo o complexo do sistema músculo esquelético.

Perceba que o treinamento funcional, em sua essência não tem como foco a melhora de estética. Apesar de ela ocorrer, devido a prática de exercícios. Aqui já podemos dizer que grande parte dos estúdios de treinamento funcional estão distorcendo o contexto em que ele está inserido.

Além disso, temos ainda a questão da repadronização de movimentos, que em muitos casos não acontece! É possível vermos inúmeros casos de pessoas que não tiveram nenhuma melhora em sua postura ou marcha, apesar de estarem há muito tempo realizando o treinamento funcional!

Outro ponto é a escolha dos movimentos, que devem reproduzir movimentos que usamos no dia a dia. A não ser que você seja um lenhador, dificilmente você irá marretar pneus, não é? Ai já vemos que uma série de instituições oferecem um treino que em nada se parece com a essência do treinamento funcional!

Não que os tais treinos sejam errados, ou apresentem falhas metodológicas graves. A questão toda é a utilização do nome treinamento funcional, para algo que mais se aproxima de um Crossfit!

Além disso, em muitos casos os exercícios acrobáticos e sem grandes fundamentos cinesiológicos, aparecem como uma alternativa para a musculação. Porém, eles apresentam poucos efeitos positivos e grandes riscos de lesões.

Leia também: Treinamento funcional, quem mais se beneficia?

Se formos nos reportar a literatura, veremos que existem estudos longitudinais que mostram que dados movimentos, quando usados de maneira repetida e sem o devido fortalecimento, causam lesões musculares e articulares que comprometem justamente a funcionalidade das pessoas!

Desta forma, você deve procurar locais que oferecem o treinamento funcional de verdade, se este for o seu objetivo! Não se deixe enganar por estabelecimentos que usam o nome para oferecer algo diferente! Bons treinos!

Referências:
SPINA, A. Functional Training: unlocking the key to performance enhancement, 2011.
WEISS, T. Functional Resistance Training on Muscular Fitness in Young Adults. J Exerc Sci Fit. 2010.
DIAS, Kalysson Araujo. Treinamento funcional: Um novo conceito de treinamento físico para Idosos. 2011.

Sobre Sandro Lenzi

Educador físico apaixonado pelo desenvolvimento humano. Atuo como produtor de conteúdo, personal trainer e com consultoria online.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Curta-nos no Facebook!