Página Inicial » Emagrecimento » Limitações da ginástica coletiva (6 principais fatores)

Limitações da ginástica coletiva (6 principais fatores)

As aulas que são ministradas para diversas pessoas ao mesmo tempo, que realizam basicamente os mesmos exercícios, tem limitações que as tornam contra indicadas para certos públicos.

Um professor ou professora altamente motivado, uma sala de ginástica e uma série de variações de movimentos e exercícios. Esta é a base de grande parte das aulas sobre ginástica coletiva. Até ai tudo certo, já que estas pessoas estão exercitando-se sob a supervisão de um profissional de educação física. Porém, este método de trabalho apresenta limitações e não é indicado a todas as pessoas.

Quero deixar bem claro, antes de tudo, que cada caso precisa ser avaliado de maneira individual e no geral, existem benefícios na prática de ginástica coletiva. O principal benefício é o fator motivacional, que é muito importante, principalmente para quem é iniciante.

ginastica coletiva

Porém, existem diversos públicos que devem evitar este tipo de aula, já que ela não irá levar em conta uma série de fatores, que vão comprometer a saúde destes públicos. Veja agora as contraindicações das aulas coletivas!

Ginástica coletivas para todos? Não caia nessa!

A ginástica coletiva, independentemente da modalidade, tem uma característica marcante: as aulas generalistas. Neste sentido, em grande parte dos casos, as aulas de ginástica coletiva não respeitam os princípios da individualidade biológica e da progressão de treinamento. Imagine o seguinte, você inicia uma aula de alguma modalidade de ginástica coletiva (step, por exemplo). Você é sedentárias e busca uma atividade divertida e que traga resultados.

Pelo fato de você ser sedentária, nos primeiros meses verá resultados (já falei que nos primeiros seis meses em que você sai do sedentarismo, qualquer atividade traz resultados rápidos). Porém, com o passar do tempo, pelo fato das aulas serem feitas de maneira generalista, fará com que você entre em um platô de desenvolvimento (salvo raras exceções).

Leia também: Você faz aula de Step? Cuidado com as lesões

Além disso, imagine que você entra em uma academia que já tem uma turma formada. As pessoas que lá treinam, tem uma base de desenvolvimento e de condicionamento. Ao entrar nestas aulas, você estará não tendo uma devida progressão.

Além destes fatores, veja os principais limitadores das aulas de ginástica coletiva:

1° Suas individualidades ficam de lado:
Se você tem uma limitação de flexibilidade, por exemplo, não terá um atendimento individual para solucioná-la. A não ser que você faça uma aula separada. Por isso, diversos estudos mostram altos níveis de lesão neste tipo de aula é alta (já mencionei isso neste artigo sobre Crossfit (Todos podem fazer CrossFit?
). Além disso, cada pessoa responde de maneira diferente ao treinamento e o método da ginástica coletiva, traz dificuldades para quem os controles de carga sejam bem executados.

2° Pouca intensidade:
Por mais que você saia “acabada” da aula, muitas vezes a ginástica coletiva é pouco intensa. Isto pode ser observado pelo fato de que elas geralmente duram 1 hora, o que é considerado um volume alto para uma série de objetivos.
Isso acontece porque as empresas que vendem os sistemas de aulas, impõe uma hora como tempo.

3° Altos índices de lesão:
Pelo fato de não termos a individualidade biológica como base do treinamento, é muito grande o índice de lesões nas aulas de ginástica coletiva. Além das aulas de impacto, ainda temos um agravante: grande parte das pessoas, não faz sessões específicas de fortalecimento. Com isso, é muito comum vermos pessoas que praticam aulas coletivas, com problemas articulares. Os campeões são lesões nos joelhos, tornozelos e quadril.

4° Falta de funcionalidade:
Como geralmente não há fortalecimento específico, as aulas de ginástica coletiva acabam sendo pouco funcionais. Isso porque a qualidade física da força e da resistência, são as mais importantes dentro do contexto da funcionalidade humana. É lógico que existem modalidades específicas em que este não é um problema.

5° Resultados estagnados:
Muitas vezes, as aulas de ginástica coletiva são niveladas por baixo, com isso, os resultados ficam aquém do que você espera, pois os estímulos são pensados nas pessoas com menor potencial físico.

6° Pouco volume total de treino:
Geralmente, as aulas de ginástica coletiva acontecem de 2 a 3 vezes por semana. Como os estímulos não são tão intensos e o volume total (quantidade de treinos semanais) é baixa, os resultados não aparecem.

Leia também: Bodypump, conheça mais sobre esta modalidade

Quero deixar bem claro, que na grande maioria dos casos, o problema não é dado pela falta de competência dos professores, mas sim pelo sistema adotado. É praticamente impossível manter um treino efetivo para 30 pessoas que se exercitem ao mesmo tempo. Além disso, temos um agravante, já que em diversas modalidades de ginástica coletiva, o professore executa as aulas ao mesmo tempo, para mostrar os movimentos. Com isso, ele não tem como executar correções e verificar a qualidade dos movimentos.

Mas então ninguém deve fazer as aulas de ginástica coletiva? Eu diria que depende do contexto, já que se elas forem acompanhadas de outros treinos e sirvam apenas como complemento e não como atividade principal.

Além disso, é fundamental realizar um fortalecimento específico, para que você reduza consideravelmente o nível de lesões. Muitas pessoas deixam de exercitar-se pela incidência de lesões oriundas destas modalidades e com isso, comprometem ainda mais a sua funcionalidade!

Lembre-se que é praticamente impossível que você responda da maneira esperada a um treino que não foi feito pensado em seu perfil. Por mais que digam que não é assim, quantas pessoas você conhece que tem bons resultados com treinos genéricos? Pense nisso e bons treinos!

Sobre Sandro Lenzi

Educador físico apaixonado pelo desenvolvimento humano. Atuo como produtor de conteúdo, personal trainer e com consultoria online.

3 Comentários

  1. sou professor de ginástica coletiva, desde 1984.
    passei por varias modalidades,
    fui treinador
    master trainner
    sou credenciado em todas as modalidades da Body systens.

    hoje dou aula treinamento funcional.
    coletivo
    circuito
    bike indoor
    sou pos graduado excelencia em performance humana
    formação d
    em psicologia do esporte.
    e tenho um certo carinho por aulas coletivas

    veja meu facebook
    carlos roberto da rocha

  2. Gostaria de saber sobre aspectos relacionados à saúde coletiva na ginástica artística,serei muito grato

  3. qual o aspecto da ginastica na saude coletiva??

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Curta-nos no Facebook!