Página Inicial » Doenças » Fibromialgia – O que é, causas, sintomas e tratamentos

Fibromialgia – O que é, causas, sintomas e tratamentos

Fibromialgia é uma doença crônica que não tem cura, mas que se seguido corretamente o tratamento, pode se ter controle sobre a doença e levar uma vida tranquila.

Fibromialgia - Sindrome, o que é, cura e sintomas

Fibromialgia se resume síndrome comum em que o indivíduo sente dores pelo corpo inteiro em fases longas, apresentando sensibilidade em músculos, articulações, tendões e em mais tecidos moles.

Fibromialgia se encontra de modo direto associada ainda com distúrbios do sono, dores de cabeça, ansiedade, fadiga e depressão. Os pesquisadores determinam que a síndrome seja gerada pelo descontrole na maneira como o cérebro faz processamento de sinais da dor.

Causas da Fibromialgia

As causas do problema ainda não são conhecidas, porém há muitos fatores que se encontram de modo freqüente relacionados com tal síndrome.

– Genética, pois a fibromialgia é bastante recorrente nos indivíduos de idêntica família, o que pode ser um fator indicando que há determinadas mutações genéticas com capacidade de gerar a síndrome.

– Infecções pelos vírus e enfermidades autoimunes também podem ter envolvimento em causas de fibromialgia.

– O sedentarismo, depressão, ansiedade e distúrbios do sono também podem estar associados de determinada maneira com a síndrome.

Fatores de risco para Fibromialgia

Os médicos fazem alerta de determinados fatores de risco que contribuem para aparecimento da fibromialgia.

– Sexo, pois a síndrome se caracteriza mais comum nas mulheres em comparação com homens, especialmente nas mulheres entre 20 e 50 anos.

– Histórico familiar, pois a enfermidade se resume recorrente entre membros de idêntica família, apontando que talvez haja determinado fator genético com envolvimento em suas causas.

Sintomas da Síndrome

Abaixo os principais sintomas de fibromialgia:

– Dor generalizada
A dor relacionada com fibromialgia se resume de modo constante descrita como dor pelas muitas partes do corpo e que levam ao menos 3 meses para cessar.

– Fadiga
Os indivíduos portadores de tal síndrome de forma freqüente despertam já percebendo cansaço, mesmo que tenham dormido durante várias horas. O sono ainda é de forma constante cessado pelo motivo da dor, e vários pacientes têm mais problemas relativos ao sono, como exemplo insônia e apnéia.

– Dificuldades de cognição
Aos portadores da síndrome, há maior dificuldade de concentração, manter atenção e foco em atividades que exijam esforço da mente.

  • Dor pela cabeça comum ou enxaqueca clássica, dor pélvica e abdominal sem motivo com identificação, a síndrome do intestino irritável.
  • Problemas em relação à memória e concentração.
  • Mãos e pés dormentes e em formigamento.
  • Palpitações.
  • Diminuição em capacidade de fazer exercícios.

Busca do Auxílio Médico

Os sintomas de fibromialgia se caracterizam bastante parecidos aos sintomas de mais síndromes. No geral, realiza-se pelo reumatologista. Assim, é fundamental que na consulta seja:

– Descrito todos os sintomas e a intensidade em relação às dores sentidas.

– Falado acerca de problemas médicos do passado, e dos parentes.

– Relatadas todas as medicações e suplementos que se ingere.

Dizer ao médico se existe problemas para dormir. O médico deverá questionar ainda acerca de eventuais sintomas da ansiedade e depressão.

Diagnóstico da Fibromialgia

O diagnóstico da síndrome é realizado de modo clínico, através da história dos sintomas e de exame físico. Não há testes laboratoriais com possibilidade de fazer diagnóstico, porém o médico pode fazer solicitação de exames de sangue para que mais enfermidades, com sintomas e características semelhantes, tenham descarte entre os diagnósticos em possibilidade.

Tratamento da Síndrome

O tratamento da fibromialgia se resume mais eficaz na situação de serem unidas medicações e medidas não medicamentosas. O objetivo é evitar incapacidade física, minimização de problemas e melhoria da saúde como geral.

O tratamento pode relacionar:

– Fisioterapia.

– Programa de atividades e preparo físico.

– Métodos para aliviar estresse, a incluir massagem leve e técnicas para relaxar.

– Terapia cognitiva comportamental.

Há muitas classes de medicamentos que são usados em conjunto ao tratamento não medicamentoso. As drogas de maior uso se caracterizam analgésico de ação central, a incluir determinadas drogas antidepressivas e antiepilépticas que apresentam tal ação analgésica.

As medicações para melhora do padrão do sono e miorrelaxantes ainda são, de modo freqüente, usadas de forma isolada ou no conjunto aos medicamentos analgésicos.

A terapia cognitivo-comportamental se resume parte essencial do tratamento. Através dela, será aprendido a:

– Enfrentar pensamentos negativos.

– Manter diário dispondo dos próprios sintomas e dores.

– Reconhecimento do que intensifica os próprios sintomas.

– Procurar prática de atividades agradáveis.

– Determinar limites.

Os grupos de apoio ainda podem ter utilidade. Entre mais recomendações há:

– Seguimento da dieta bem equilibrada.

– Cafeína evitada.

– Manter rotina de repouso adequada para melhoria da qualidade do sono.

– Acupuntura e acupressão.

As situações de gravidade da fibromialgia podem ter encaminhamento à clínica especializada na dor.

Leia também: Acupuntura, como ela pode te ajudar a ter mais saúde

Medicamentos para Síndrome

Os medicamentos de maior utilização ao tratamento da fibromialgia são:

  • Alginac
  • Lyrica
  • Miosan
  • Ciclobenzaprina
  • Cymbalta
  • Mirtax
  • Musculare
  • Nimesulida.

Apenas o médico pode afirmar o medicamento de maior indicação ao próprio caso, assim como dosagem adequada e duração para tratar. Seguir sempre à risca as recomendações do médico e nunca automedicar-se.

Não interromper a utilização da medicação sem consulta anteriormente com médico, e se ingeri-lo mais de uma vez ou nas quantidades bastante superiores do que a prescrição, seguir instruções pela bula.

Convivência e Prognóstico

A fibromialgia se caracteriza síndrome de período longo apresentando flutuações constantes em intensidade da dor. E não há maneiras de prevenção para a síndrome. Ao seguir tratamento adequadamente e praticando devidos cuidados na casa, os sintomas possuem tendência para melhoria.

Mais essencial ainda, por meio dos devidos cuidados, o indivíduo que sofre de fibromialgia não perde a própria capacidade funcional. Na casa, é possível tomar determinadas ações para auxiliar em tratar e na convivência melhor com a enfermidade. Alguns exemplos:

– Diminuir estresse do dia a dia.

– Dormir o suficiente para estar repousado no dia seqüente.

– Exercitar-se com regularidade.

– Manter mesmo ritmo de vida.

– Preservar estilo de vida saudável.

8 Hábitos para boa convivência com Fibromialgia

Com caracterização pela dor intensa que tem espalhamento pelo corpo, a partir principalmente de tecido mole da nuca, tórax, área lombar, ombros, canelas, cotovelos, quadris, joelhos, fibromialgia apresenta como complicações em destaque da enfermidade distúrbios do sono, depressão e fadiga.

A enfermidade pode ser controlada através de determinadas medidas e alterações em estilo de vida. Na seqüência são apresentados 8 hábitos para boa convivência com fibromialgia, para também amenizar dores.

1 – Exercícios, a arma mais importante contra a síndrome

Todo tratamento da fibromialgia de modo obrigatório terá que fazer contemplação de exercício físico. A seleção da modalidade para prática fica a critério da pessoa, de acordo com o que gostar e suas limitações.

O exercício aeróbico se caracteriza de maior eficácia em comparação com outros, sendo exemplo a caminhada de 30 a 45 minutos, 5 vezes semanalmente. De modo contrário do que se imagina a inatividade nos pacientes com a síndrome causa mais dor.

Assim, o paciente que se encontra sentindo dores não permanece contraindicado para praticar exercícios, mesmo que as dores sejam mais fortes; nesta situação, a tentativa é reduzir a dor através de tratamento medicamentoso, para que seja suportado o exercício físico.

É dever, porém, análise da característica da dor para estabelecer se não existe outro problema ligado que possa fazer interferência ou agravar com o exercício.

No começo a dor pode até se agravar através da atividade, porém a mesma se faz de modo absoluto de necessidade para o bom andamento da enfermidade. As atividades na água têm utilidade aos pacientes que não têm tolerância com impacto ou apresentem mais comorbidades, sendo exemplo artrose.

É essencial fixação de regularidade da prática, com recomendação de 2 a 3 vezes semanalmente, no horário de pré-definição, no entanto, com execução das atividades físicas não programadas em mais dias, como caminhada e subida ou descida das escadas.

2 – Medicações para controle de dores fortes

As drogas que podem ter uso no tratamento da síndrome se resumem antidepressivos que agem aumentando taxas da serotonina e noradrenalina cerebral. Os mesmos são ministrados de modo primário, não como antidepressivo, porém sim devido a eles ainda atuarem como analgésicos cerebrais.

São utilizadas ainda drogas neuromoduladoras, que agem reduzindo liberação do glutamato e substância P em tecidos do cérebro. Tais substâncias agem aumentando sensibilidade da dor, assim é favorável reduzir sua liberação no cérebro.

Porém, a base do tratamento para a síndrome deve se resumir atividade física e acompanhamento psicológico, sendo a recomendação das medicações direcionada situação a situação. É essencial ressaltar que analgésicos simples e antiinflamatórios, no geral, não têm funcionamento a tais pacientes.

3 – Atenção ao que gera dor

O paciente sofrendo de fibromialgia deve ser consciente das ações que intensificam o seu quadro, sendo exemplo posição a sentar-se, e como interage com objetos.

A atenção com ergonomia é essencial para que não haja lesões que possam prejudicar tratamento e evolução da síndrome. Qualquer dor que difere do habitual deve ter investigação e tratamento adequado.

4 – Reconhecimento dos próprios limites

Em fases em que o paciente sente menos dor, o mesmo pode várias vezes tentar realizar mais atividades do que comum e isto pode fazer comprometimento do tratamento e até piorar sintomas.

Mesmo que a dor na maior parte das vezes não se resuma limitante, é essencial que o paciente entenda os próprios limites e saiba a situação de parar exercícios ou mais atividades. Na situação de haver dúvidas, o ideal é dialogar com o médico e ter entendimento do próprio quadro e quais sinais que apontam que a dor deve ter interrupção.  

5 – Cuidado com o sono

O sono do indivíduo com fibromialgia é modificado por causa de dores, havendo maior dificuldade em alcançar o sono profundo, ou então com despertadas freqüentes pela noite. Tais pacientes têm sono dito não restaurador, assim, dormem, porém não repousam e despertam cansados de manhã.

Para que permaneçam descansados, é essencial o cuidado com higiene do sono, dormir ao menos 8 horas pela noite, manter tranqüilidade pelo quarto, evitar alimentos energéticos anteriormente a seguir para cama, entre outras medidas, e verificação da necessidade de medicamentos para ajudar no sono.

A depender da situação, pode ser que o médico oriente descansos pelo dia, sendo exemplo o cochilo pela tarde. Porém a recomendação é que o ciclo do sono seja o mais integral e reparador possível pela noite.

6 – Fazer “diário da dor”

A escrita acerca dos casos que geram mais dor, as regiões afetadas e todas as informações de relevância sobre andamento da enfermidade, um real diário da dor, auxilia o médico no impacto da mesma pela rotina do paciente, determinando desta maneira o tratamento mais adequado.

O diário auxilia para identificação de casos que possam desencadear crises e possibilitar que a pessoa tenha controle maior sobre os mesmos. Ainda ajuda o médico em avaliar utilização dos analgésicos e antiinflamatórios pelo paciente, com tentativa de identificação de abusos, assim como na associação dos medicamentos específicos para controlar dor.

7 – Fisioterapia para situações específicas

Para situações em que existe necessidade de corrigir vícios da postura ou pessoas com fibromialgia grave, pode ser indicado acompanhamento com fisioterapeuta para reabilitar. As atividades realizadas em fisioterapia devem ter avaliação e orientação segundo deficiências e quadro clínico particular.

8 – Massagens e técnicas para relaxar

Mesmo sendo determinantes em tratar fibromialgia, as técnicas de relaxamento e massagens podem ajudar em reduzir quadros dolorosos, em especial os ligados com tensão muscular.

Porém, as mesmas auxiliam nos aspectos psicológicos, sendo exemplo estresse associado ao trabalho, que podem fazer interferência negativamente em tratamento instituído. Porém, é essencial ressaltar que tais práticas não influenciam de modo direto em tratar a longo prazo, sendo somente complemento.

Sobre Fernanda Mayumi

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Curta-nos no Facebook!