Página Inicial » Termogênicos » Efedrina – Seus efeitos colaterais e a combinação “ECA” com cafeína e aspirina

Efedrina – Seus efeitos colaterais e a combinação “ECA” com cafeína e aspirina

A efedrina teve uma grande projeção midiática através de sua proibição, acendeu uma série de discussões sobre seus efeitos. Conheça todos os riscos e efeitos colaterais dessa substância e famosa mistura “ECA” Efedrina, Cafeína e Aspirina.

Efedrina e ECA (cafeína e Aspirina) efeitos colaterais

Nós aqui do Treino Mestre sempre defendemos posturas responsáveis e seguras em relação as questões do corpo. Neste sentido, sempre alertamos sobre possíveis riscos que certas substâncias trazem e que sua utilização não é coerente com quem busca saúde e estética. O caso da efedrina é em partes polêmicos, já que existem pessoas que a defendem e outras que indicam seus malefícios. Neste contexto, criei este artigo para explicar melhor o porquê de tanta polêmica em torno disso.

Segundo Forte (2006) A efedrina é uma substância alcalóide (base derivada de plantas) simpatomimético (efeito sobre os hormônios), que se deriva de plantas do gênero Ephedra. Estas plantas possuem mais de 40 espécies distribuídas em regiões de clima subtropical e temperado. Durante séculos, a efedrina foi usada para fins terapêuticos já era bastante disseminada entre os chineses, que utilizavam o extrato de plantas desidratadas (que são chamadas de Ma huang) para o tratamento de afecções de ordem respiratória.

Na medicina moderna, a efedrina já foi usada para diversas funções, sendo as principais delas como descongestionante nasal, vasopressor e broncodilatador. Porém, o uso terapêutico da efedrina tornou-se restrito, já que há dúvidas quanto ao seu perfil de segurança em termos de saúde.

Por ser uma droga que causa um aumento considerável da circulação e da pressão arterial. Isso acontece pelo fato de que a efedrina tem efeito vasopressor, ou seja, ela contrai os vasos sanguíneos. Com isso, nosso corpo interpreta uma situação de risco e aumenta consideravelmente a produção de adrenalina. Assim, utiliza-se mais gordura como fonte energética, já que o metabolismo fica mais acelerado. Este é um mecanismo de funcionamento muito parecido com o das anfetaminas.

Por ser uma substância estimulante, a efedrina é proibida em uma série de esportes e organizações, por ser considerada dopping (Maradona foi pego com doses elevadas de efedrina, na Copa do mundo de 1994).

Efeitos da efedrina

Apesar de seu efeito ser bastante forte, alguns estudos indicam que ela não é nem um pouco eficiente para termos de emagrecimento.  Se formos parar para analisar de maneira mais detalhada,  o efeito metabólico da efedrina é bastante próximo ao dos termogênicos, ou seja, ela aumenta a temperatura interna (como os vasos ficam mais contraídos, o corpo precisa de mais energia para bombear o sangue). E muitos estudos mostram que o simples aumento da termogênese não garante que tenhamos uma melhor lipólise.

Além disso, a efedrina ainda tem um agravante. A ciência ainda não encontrou dosagens seguras para serem aplicados em larga escala na população. Desta forma, muitas vezes as pessoas ingerem suplementos que contém efedrina, mas não sabem que estão ingerindo uma superdosagem, não tendo resultados e ainda colocando sua saúde em risco.

Por que a efedrina é proibida no Brasil?

Por ser uma substância que interfere diretamente na questão da circulação sanguínea e principalmente, no aumento da pressão arterial, a efedrina tem sua comercialização proibida no Brasil. Como já mencionei acima, por não termos dados mais específicos sobre doses seguras para a administração de efedrina, a ANVISA proibiu sua comercialização em 2012.

Essa proibição foi feita depois de diversos relatos de mortes causadas por problemas de ordem cardíaca, por pessoas que usavam suplementos a base de efedrina. Sabemos que ela ainda é facilmente encontrada, porém em mercados ilegais. O medicamento mais conhecido na atualidade que possui a substância efedrina em sua composição e está proibido de ser comercializado é o Franol. Como alternativa pessoas tem procurado broncodilatadores como clembuterol, Pulmonil ou Aerolin por causa da substância Salbutamol, que supostamente provocaria uma ligeira elevação da temperatura do corpo, o que indicaria a ocorrência de lipólise (queima de gordura).

Apesar de todas as  limitações que a ANVISA tem em relação a proibição de algumas substancias, no caso da efedrina ela teve uma conduta muito positiva, pois estavam cada vez mais evidentes os seus riscos.

Em um relato de caso de Forte (2006), fora relatado o efeito de um termogênico de efedrina em um lutador de MMA, que a consumia para fins de manutenção do peso da categoria e como estimulante.

Neste relato de caso, o paciente relata que teve efeitos colaterais como palpitações, insônia e tremores pelo corpo todo. Depois disso, ele relata que passou a sentir também fortes dores abdominais. Após dias de sintomas e busca por tratamento, foram realizados todos os exames pertinentes a risco cardíaco no paciente e não foram encontradas alterações que pudessem colocar sua vida em risco. Mesmo assim, devido ao uso de um suplemento a base de efedrina, o paciente veio a sofrer um infarto do miocárdio.

Efeitos colaterais da efedrina

Relatos como este estão aos montes na literatura, o que reforça ainda mais os riscos que a utilização de efedrina tem. Entre os principais sintomas que a utilização desta substancia tem, podemos destacar estes:

  • Aumento da pressão arterial;
  • Elevação dos batimentos cardíacos;
  • Broncodilatação e aumento da  frequência respiratória;
  • Pupilas dilatadas
  • Braquicardia;
  • Infarto;
  • AVC;
  • Convulsões.

Além disso, por ser uma droga altamente viciante, a efedrina pode causar sérios problemas de ordem psiquiátrica.

ECA – Efedrina, Cafeína e Aspirina

Muitas pessoas em busca da definição muscular e perda de gordura, utilizam a famosa combinação de termogênicos “ECA”, composta por 3 substâncias principais: Efedrina, Cafeína e Aspirina, potencializando ainda mais algo que já é perigoso. O antitérmico Aspirina entre nesse combo para “suavizar” os efeitos colaterais provocados pela combinação de efedrina e cafeína. Não existem estudos concretos que comprovem a eficácia dessa combinação de substância. Os medicamentos mais comercializados

Leia também: Qual o melhor termogênico? Conheça os melhores termogênicos do mundo!

Em resumo, irei sempre desaconselhar a utilização de efedrina para fins de emagrecimento, pois existem métodos muito mais efetivos e saudáveis de alcançar tais objetivos.

Até porque emagrecer tem que ser algo pensado em torno de um contexto e a utilização de substancias químicas nunca é o mais indicado. Dieta, treino e descanso sempre serão mais saudáveis, seguros e eficientes. Não se deixe cair em fórmulas fáceis e rápidas e que não demandem esforço, pois elas sempre serão baseadas em algo ilícito. Sua saúde precisa sempre ser mais importante do que qualquer componente estético. Bons treinos!

Referências:
FORTE, R. Infarto do Miocárdio em Atleta Jovem Associado ao Uso de Suplemento Dietético Rico em Efedrina. Arq Bras Cardiol 2006.  

Sobre Sandro Lenzi

Educador físico apaixonado pelo desenvolvimento humano. Atuo como produtor de conteúdo, personal trainer e com consultoria online.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Curta-nos no Facebook!