Página Inicial » Treinos » Agachamento ou Leg Press, qual a melhor escolha?

Agachamento ou Leg Press, qual a melhor escolha?

A escolha dos exercícios é um dos pontos fundamentais para quem busca ter bons resultados. A escolha entre agachamento ou leg press é uma das mais comuns. Veja uma análise completa neste artigo!

Leg press ou agachamento, qual o melhor?

O treino de MMII envolve uma série de situações que fazem com que ele possa ser potencialmente danoso as articulações envolvidas, se este for mal executado. E neste sentido, a escolha dos exercícios é um ponto fundamental! Entre os exercícios mais importantes e que constantemente são comparados, temos o leg press e o agachamento. Apesar de movimentos parecidos, temos diferenças fundamentais nestes dois movimentos, que fazem com que tenhamos implicações no resultado do treino.

Mas antes que você pergunte se um é melhor do que o outro, quero deixar claro desde já que tudo depende do contexto e das individualidades de quem está executando o treino. Muitos pontos precisam ser pensados, analisados. Para facilitar isso, vamos a uma análise completa do leg press e do agachamento e uma comparação dos efeitos de cada um!

Agachamento ou leg pres? Depende do contexto!

Aqui, o primeiro ponto a ser analisado é a cadeia cinética. Conforme Hening (1986) nos mostra, a definição mais aceita é de que os exercícios em cadeia cinética é a de que, se o segmento distal estiver livre para se movimentar no espaço e não sustentar o peso corporal (como no supino reto com halteres, por exemplo) a cadeia é considerada aberta, e na ocorrência do contrário a cadeia é fechada.

Como tanto no agachamento, como no leg press não temos livre movimento do segmento distal (pé), pois este está em um caso sustentando o peso do corpo (agachamento) e em outro apoiado na máquina (leg press).

Leia também: Leg Press – Execução correta e principais cuidados

Desta forma, aqui temos um ponto de início. Ambos os exercícios são de cadeia fechada. Nobre (2011) nos mostra que os exercícios de cadeia cinética fechada são mais eficientes para o treinamento e reabilitação de MMII.

As explicações para isso são muitas. A mais aceita é a de eficiência muscular acentuada, devido ao fato de não haver variação no movimento do segmento distal.

Mas então o efeito do agachamento e do leg press são os mesmos? Não necessariamente.

Apesar de serem compostos por movimentos parecidos, de flexão e extensão de joelhos e quadril, existem diferenças substanciais. O leg press inicia-se com uma leve flexão de quadril e o agachamento seja iniciado com o quadril em neutro.

Além disso, os pontos de torque máximo são diferentes nos dois movimentos, já que o braço de alavanca muda em decorrência das posições.

Tudo isso pode trazer dificuldades de entendimento sobre as diferenças destes exercícios. Como meu objetivo é tornar este conteúdo de fácil entendimento, vamos partir para pontos práticos, levando em consideração as diferentes utilizações destes exercícios!

Leg Press ou agachamento, pontos fundamentais para análise

Antes de falarmos dos pontos práticos, é interessante citar um estudo. Wirth e colaboradores (2016) compararam os resultados que jovens treinados tiveram após 8 semanas de treinamento, com o leg press ou agachamento.

Após o período de treinamento, onde os mesmos foram divididos em dois grupos, estes treinaram ou com o leg press, ou com o agachamento. Ao final deste período, os testes revelaram que houveram melhoras consideráveis no salto nos jovens que treinaram com o agachamento. Já em termos de repetições máximas com o aumento de carga e de força isométrica, os resultados foram similares.

Se formos avaliar o contexto geral, veremos que o agachamento produz uma melhor transferência para os demais movimentos, quando comparado com o leg press.

desta forma, o agachamento é muito mais funcional do que o leg press. Isso já foi percebido por diversos treinadores, que usam o agachamento como base para o treino de diversas modalidades esportivas.

Além disso, mesmo pessoas idosas ou destreinadas, com a devida progressão de treinamento e aprendizagem técnica, tem melhores resultados com a utilização do agachamento em seus treinos!

Outro ponto importante do agachamento é que ele necessita de um trabalho isométrico de toda a região do core, que é mais solicitado em termos de estabilização. Isso o torna ainda mais funcional e importante em qualquer treinamento resistido.

Mas então o leg press é desnecessário?

Leg press e desnecessário?

De forma alguma! Se formos pensar em um planejamento de longo prazo, ambos deverão compor os treinos. O leg press traz um movimento diferente, o que nos traz novas unidades motoras envolvidas e com isso, o movimento traz mais qualidade.

Além disso, existem casos específicos em que o agachamento pode não ser executado com segurança, por diversos motivos como a falta de mobilidade ou de controle tônico. Nestes casos, o leg press pode ser um ótimo substituto!

Outro ponto a ser destacado é que o leg press é muito interessante para o desenvolvimento de força, quando utilizado juntamente com o agachamento.

O que é fundamental em ambos os casos é a qualidade do movimento. Encurtamentos, que fazem com que as curvaturas da coluna não sejam preservadas, causando uma sobrecarga acentuada nos discos articulares, devem ser evitadas em ambos os casos.

Como o agachamento é um movimento mais complexo, com forte influência da flexibilidade e da gravidade em geral, é muito importante utilizar um processo adaptativo adequado, conforme nos mostra este artigo (Agachamento, processo educativo para melhorar a execução).

No contexto geral, você não precisa optar por um ou outro, pois ambos podem trazer melhores resultados juntos. O mais importante é utilizar as variáveis de forma inteligente, focar na qualidade dos movimentos e não apenas na carga e ter uma periodização bem montada.

O treinamento resistido nos traz estes questionamentos e dúvidas, é natural. O que sempre deve prevalecer nestas questões é o bom senso e conhecimento do profissional que monta e planeja os treinos. Isso sim é uma peça fundamental, que é a base para a manutenção de sua funcionalidade e melhora dos resultados. Bons treinos!

Referencias:
Hening CE. An in vivo strain gauge study of elongation of the anterior cruciate ligament. Am J Sports Med. 1985
Wirth K, The Impact of Back Squat and Leg-Press Exercises on Maximal Strength and Speed-Strength Parameters. J Strength Cond Res. 2016
Nobre, L. N. Comparação dos exercícios em cadeia cinética aberta e cadeia cinética fechada na reabilitação da disfunção femoropatelar. Fisioter. mov. (Impr.) Curitiba,2011

Sobre Sandro Lenzi

Educador físico apaixonado pelo desenvolvimento humano. Atuo como produtor de conteúdo, personal trainer e com consultoria online.

3 Comentários

  1. òtimo texto, conheci sua página agora e tu faz um bom trabalho. Parabéns!

  2. Gostaria apenas de dar os parabéns pela sua página.

    o conteúdo é simplesmente sensacional.

  3. Muito bom o conteúdo,tirei até certas dúvidas que tinha

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Curta-nos no Facebook!