Página Inicial » Emagrecimento » Aeróbico no cutting, 5 formas de melhorar os resultados

Aeróbico no cutting, 5 formas de melhorar os resultados

O período de cutting envolve diversos tipos de estímulos diferentes. Um deles, é o exercício aeróbico. Veja neste artigo, como potencializar o aeróbico no cutting!

Aeróbico no cutting

O cutting (fase onde o objetivo é a definição muscular e a redução do percentual de gordura) tem algumas peculiaridades. É o momento onde a dieta e o treino são adaptados para a manutenção da massa muscular e a redução do percentual de gordura.

Com isso, o treino envolve não apenas musculação, mas também exercícios aeróbicos com mais frequência. Da mesma maneira, a dieta tem, em muitos casos, uma redução na ingestão de carboidratos e outros nutrientes que possam vir a se tornar tecido adiposo.

Porém, esta é uma fase de treino bastante complexa. Não é muito fácil conseguir resultados de verdade. Afinal, perder gordura e manter a massa muscular é um desafio e envolve diferentes aspectos, tanto de treino, quanto de dieta.

Neste contexto, otimizar o aeróbico é uma forma de fazer com que ele traga resultados mais expressivos e você consiga atingir suas metas. Para isso, estratégia e método, são fundamentais. Para te ajudar, selecionamos 5 formas de melhorar os resultados do aeróbico no cutting e atingir uma otimização da lipólise muito maior!

Otimizando o aeróbico no cutting

O cenário do cutting é o seguinte: uma baixa ingestão calórica e treinos que otimizem a queima de gordura. Com isso, precisamos de estratégias para aumentar o gasto calórico total do aeróbico. Selecionamos 5 estratégias que você pode usar (com responsabilidade) em seu treino aeróbico! Vamos a elas!

1- HIIT em diferentes variações

O HIIT não poderia deixar de estar presente neste texto. Ele é uma estratégia altamente eficiente para otimizar a queima de gordura. Porém, no cutting, ele precisa estar adaptado a algumas questões, levando em conta principalmente, a baixa ingestão calórica. Por isso, precisamos adaptar a intensidade.

No que se refere as variações do HIIT, que podem ser usadas no cutting, temos muitos pontos. Um deles, é que a intensidade não precisa ser medida necessariamente pela velocidade. Podemos usar, por exemplo, uma maior inclinação da esteira na fase de estimulo. Ou ainda, caso você faça o HIIT em bike, usar mais carga.

Tudo isso, são adaptações para que você possa ter mais qualidade nos estímulos. A forma como você vai usar o HIIT no cutting, bem como o momento, estão diretamente ligados a sua individualidade e necessidades.

Leia também => Treino HIIT – Um dos mais eficientes métodos de queima de gordura

2- Treino em escadaria

No cutting, é fundamental não apenas pensar no gasto calórico, mas também, no aumento do vo2 máximo. Afinal, este marcador está diretamente ligado a nosso potencial de oxidação de gordura. Por isso, é muito importante usar métodos como o treino em escadaria, que tem um impacto direto sobre o Vo2 máximo e trazem bons resultados.

O treino em escadaria, no cutting, geralmente é feito em dias em que não treinamos musculação. Por ser feito em subida, ele tem uma intensidade muito mais elevada e nem sempre, devido à restrição calórica, as pessoas aguentam a intensidade. Por isso, é muito importante buscar um equilíbrio.

O treino em escadaria pode ser feito de diferentes formas. No geral, usa-se uma escadaria mais longa, que tenha pelo menos de 30 segundos a 1 minuto (no mínimo) de subida em ritmo intenso. Neste caso, o praticante pode subir em velocidade e descer caminhando (seguindo os princípios do HIIT). Outra possibilidade é subir pulando um degrau, para aumentar a passada e necessariamente, a necessidade energética.

É fundamental fazer o treino em escadaria com cuidado, usando um tênis adequado. Desta maneira, sua segurança não estará em risco e você terá muito mais efetividade.

3- Treino em morro (ladeira)

Aqui, temos um princípio muito parecido com o treino em escadaria. Um ambiente que proporciona naturalmente, um aumento na intensidade. Há diferentes formas de fazer o treino em ladeira. Caso ela não seja tão longa, você pode subir e descer algumas vezes. Se o seu condicionamento permitir, suba correndo e desça andando.

Se a ladeira for mais longa, você pode subir caminhando, em ritmo constante e intenso. Ou ainda, subir correndo, descer apenas metade do que subiu, correr mais um pouco, descer mais um pouco e assim por diante.

Tudo vai depender de seu condicionamento e da forma como está realizando o processo de cutting. Mas independentemente do caso, o treino em ladeira é uma estratégia interessante para seu aeróbico.

4- Aeróbico em jejum

Polêmica! Não há como falar de aeróbico em jejum, sem levantar polêmica, pessoas a favor ou contrárias. Eu gosto de encarar o aeróbico em jejum como estratégia, para pessoas muito bem treinadas. Qualquer pessoa que não esteja neste cenário, deve evita-lo. Fazer aeróbico em jejum no domingo de manhã, com sol, por que você viu uma blogueira famosa fazendo, é falta de inteligência.

Mas falando especificamente do aeróbico em jejum na fase de cutting, vejo que ele tem uma importância interessante para pessoas bem treinadas. Ele faz com que o corpo necessite de uma melhor mecânica de trocas gasosas, pelo fato de haver menos glicogênio disponível. Neste sentido, ele impacta diretamente o seu Vo2 máximo. Para alguém em fase de cutting, melhorar o vo2 máximo é muito importante.

Mas ele deve ser feito com cuidado e principalmente, estratégia. Caso contrário, ele não trará quaisquer resultado efetivo. Além disso, você precisa, invariavelmente, estar bem treinado. Caso contrário, ele não trará benefícios e ainda poderá colocar sua saúde em risco.

5- Aeróbico pós-musculação

O mais tradicional de todos. O aeróbico após a musculação é uma estratégia básica, mas de grande efetividade, quando feita da forma correta. Basicamente, quando fazemos musculação, reduzimos consideravelmente os níveis de glicose e glicogênio do organismo.

Ao realizar o aeróbico da forma correta, com a intensidade adequada, após a musculação, teremos um resultado mais interessante. Graças ao efeito compensatório (Efeito compensatório, entenda o que é e como ele influencia seus resultados), se você não ingerir nenhum carboidrato após o treino, que misturou musculação e aeróbico, teremos um aumento na lipólise.

Porém, é preciso tomar um cuidado no aeróbico pós-musculação. Caso a intensidade do aeróbico e da musculação sejam muito discrepantes, pode ser que ocorram os efeitos negativos do treinamento concorrente. Desta maneira, é importante que o planejamento de treino, leve em conta estes pontos!

Estas são algumas das principais formas de otimizar o aeróbico no cutting e ter melhores resultados. Sempre lembrando que nesta fase, a dieta é fundamental. Sempre treine com a orientação adequada! Bons treinos!

Sobre Sandro Lenzi

Educador físico apaixonado pelo desenvolvimento humano. Atuo como produtor de conteúdo, personal trainer e com consultoria online.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Curta-nos no Facebook!